Em Prol da Revitalização do Concelho de Vimioso

Retomo agora uma das temáticas que abordei e uma das medidas que, entre outras, preconizei no texto que, em 3 de julho de 2017, publiquei no meu blogue: https://angueira.net/2017/07/03/esboco-de-um-programa-de-acao-para-angueira-e-para-o-concelho/.

Lamentavelmente, as medidas que então elenquei continuam a manter plena atualidade. Se todas elas visam responder a necessidades de Angueira e do concelho de Vimioso, uma há que, a meu ver, se destaca. Sendo uma resposta à necessidade mais premente, é, consequentemente também, a medida, a meu sentir, prioritária: assegurar uma reserva estratégica de água no e para o concelho.

Dispondo de três bacias hidrográficas – a do Rio Angueira, a do Rio Maçãs e a do Rio Sabor –, é incompreensível e inaceitável que, como no início do outono de 2017 ficou bem patente – a Câmara Municipal de Vimioso teve então que recorrer à cedência e transporte de 600 m3 diários de água de Bragança para abastecer as freguesias de Argozelo, Carção, Matela e Santulhão –, o concelho continue a debater-se com uma crónica escassez, senão mesmo falta de água.

As secas cada vez mais frequentes só podem ser atenuadas com a retenção de água corrente, sobretudo durante as cheias, através da reparação dos açudes existentes e da construção de charcas e de represas nos cursos de água do concelho onde for possível e seja viável.

A persistência de tal situação só pode compreender-se, em parte, pelo esforço desenvolvido nos dois últimos anos no combate à pandemia. Porém, a pandemia não justifica tudo. Assim, terá de, sobretudo, imputar-se à falta de visão, distração e inação dos autarcas que, nos últimos 20 anos, têm estado à frente dos destinos do município e tido a responsabilidade da governação do concelho.

É que não tem que ser assim! Senão, vejamos:

Como se pode constatar pela consulta das Cartas do Exército, dada a configuração do termo e da povoação de Angueira, o seu relevo apresenta acentuadas irregularidades: desde pequenas planícies de aluvião nas margens do Rio, passando por diversos vales por onde, entre montes, correm vários riachos e ribeiros e pequenos planaltos nas zonas de confluência do termo de Angueira com os das povoações vizinhas – de Avelanoso e São Martinho a nordeste e a nascente, o da Especiosa a nascente e a sueste, e os de Caçarelhos e São Joanico a sul, a sudoeste e a poente –, até aos serros situados a poente.

Termo de Angueira: “Mediana”, “Faceira de l Prado”, “Cuosta de Souganho” e os “Sierros”. Foto tirada no verão de 1995.

No termo, as altitudes variam entre pouco menos de 660 metros na “Ribeira de Baixo” e 844 metros no cimo da Serra de Angueira, também designada como “Serro dos Malhadais”; na povoação e à sua volta, as altitudes variam entre pouco menos de 670 metros na “Cabada”, na “Çanca”, “na Salina” e na “Mediana” e 721 metros no cimo da “Canhada”, o ponto onde está localizado o depósito da água, e entre 696 e 724 metros nas ”Eiricas” e nas “Eiras Grandes”, respetivamente.

Angueira: a “Cabadica” e a povoação vistas do alto dos “Carreirones”. Foto tirada no verão de 1995.

No “Gago”, onde, a cerca de 680 metros de altitude, o Rio inicia o seu percurso no termo de Angueira, e na “Ribeira de Baixo”, onde, pouco abaixo de 660 metros de altitude, terminando o percurso no termo de Angueira, o Rio passa a correr no termo de Avelanoso e, logo a seguir, no de Serapicos. Entre estes dois extremos do respetivo percurso no termo de Angueira, o diferencial de altitude do seu leito vai-se gradualmente aproximando dos 20 metros.

A montante da “Cabada”, cerca de 100 metros acima da ponte da “Yedra” e pouco abaixo da “Retuorta”, na foz do ribeiro dos “Milanos”, e, pouco mais abaixo, a seguir ao açude do moinho da “Senhora”, na foz do ribeiro do “Ramalhal”, o leito do Rio corre pouco abaixo de 670 metros de altitude.

Um e outro destes ribeiros da margem esquerda do Rio Angueira correm em vales apertados entre montes: o dos “Milanos” num vale em forma de U, que, a montante, se prolonga até às “Lhameiras”, um vale mais aberto já quase na marra com o termo da Especiosa; o do “Ramalhal” num vale apertado e em forma de V perto da sua foz e que, entre o cimo da “Cabanhona” e o fundo do “Ramalhal”, se abre numa planície com um ligeiro declive em forma de leque para as duas margens e o leito do ribeiro.

Sem querer substituir os engenheiros e outros técnicos da Câmara Municipal de Vimioso, a cujos conhecimentos técnicos os meus não ouso comparar, penso que estas condições naturais são muito propícias para a construção, a baixo custo, de uma, e, preferencialmente, ainda que em momentos distintos, duas represas – ligadas entre si por um tubo que, funcionando em sistema de vasos comunicantes, permitiria, sempre que necessário, fazer o “tresvase” de água entre ambas –, na foz de (cada) um ou destes dois principais afluentes do Rio Angueira:

1. Perto da sua foz, entre o fundo da “Cabanhona” e a “Senhora”, o ribeiro do “Ramalhal” corre entre “Cabeço Molhon” e “Cabeço l Cuorbo”, com 735 e 739 metros de altitude, respetivamente. Neste vale cavado em V, é possível, entre as cotas de 670 e 700 metros de altitude, construir uma represa de água, em terra batida e a baixo custo, que se poderá prolongar até à “Sapeira” e aos “Fresnos”, para lá do caminho que do “Spino” e que, passando pelo “Ramalhal”, segue para “Ladron”. Confluindo no ribeiro do “Ramalhal” vários riachos – os do “Spino”, da “Sapeira”, da “Muola”, de “Balhe de l Quadro” e de “Trabacinos, a represa permitiria formar um lago pouco sinuoso e com uma extensão aproximada de 1 500 metros de comprimento e significativo volume de água;

Vale do ribeiro do “Ramalhal” entre a “Cabanhona” e a “Senhora”. Foto tirada no verão de 1995. Nas cheias, as águas do ribeiro passavam por cima da ponte que se vê entre as árvores.

2. Menos de 500 metros a montante do açude do moinho da Senhora, entre “Cabeço Molhon” e o alto onde começa o “Camino de Miranda”, com 735 e 739 metros de altitude, respetivamente, situa-se a foz do ribeiro dos “Milanos”, cujo leito corre neste ponto a uma altitude de pouco mais de 670 metros. Entre menos de 50 e cerca de 300 metros da foz do ribeiro dos “Milanos” no Rio Angueira e entre as cotas 680 e 700 metros de altitude, é possível construir outra represa de água, formando um lago algo sinuoso até entre os “Palancares” e os “Milanos”, já perto das “Lhameiras”, com uma extensão variável entre, aproximadamente, 1 200 e 1 400 metros de comprimento, permitiria reter um significativo volume de água.

Angueira: vale da “Retuorta” perto da foz do ribeiro dos “Milanos”. Foto tirada no verão de 1995.

A necessidade – as faltas de água e secas persistentes e repetidas no verão –, as condições físicas, climatéricas, hídricas – as cheias de inverno –, geomórficas e orográficas para construir uma ou duas represas nos maiores afluentes da margem esquerda do Rio Angueira existem.

Parece, contudo, faltar a consciência da necessidade e/ou a vontade política dos autarcas para ordenar a realização do estudo e a medição do fluxo das respetivas correntes, designadamente no tempo chuvoso e nas cheias de inverno, obter as necessárias autorizações junto do ministério competente, elaborar o(s) respetivo(s) projeto(s) e apresentar a candidatura do(s) mesmo(s) a financiamento por fundos do Governo ou da União Europeia.

Tratando-se de desculpa, ou não, para a não realização de obra(s) tão importante(s) e necessária(s) para o concelho, por vezes, ouve dizer-se que o Ministério do Ambiente e da Ação Climática, sustentado em parecer negativo de algum técnico ou departamento mais fundamentalistas, não autoriza a sua realização. Se for esse o caso, será porque alguns desses técnicos, seguindo à letra uma sebenta ou cartilha mal decorada, tenderem a, fixando-se na árvore, esquecer a floresta. Outras vezes, ostentando a velha autoridade do “quero, posso e mando”, levam os interessados a desistir de algumas das suas legítimas pretensões. Num caso e noutro, os autarcas, não se deixando atemorizar, também não devem desistir. Sugiro que, se necessário, apresentem recurso judicial junto do Tribunal Administrativo competente.

A meu ver, para além dos seus previsíveis – ou, pelo menos, possíveis – efeitos multiplicadores em outras atividades económicas, esta obra permitirá ainda responder e colmatar outras necessidades do concelho: abastecer, por gravidade e pelo sistema de vasos comunicantes, o canal de irrigação de Angueira; abastecer autotanques e aeronaves de combate a incêndio; renovar o fluxo de água corrente no Rio Angueira e nas zonas balneares ribeirinhas; alimentar os açudes que, a jusante, asseguram o abastecimento de água à população de Vimioso e das localidades a sul do concelho; eventual abastecimento alternativo de água a Angueira, com depósito nas “Eiras Grandes” por cima dos “Penhones”, quando se revelar insuficiente a água obtida através de furo; salvaguardar a fauna e a flora nas margens do Rio, entre outras.

A construção da(s) represa(s) neste(s) ribeiro(s), em alternativa à sua possível construção no Rio Angueira, para além de ter(em) incomparavelmente muito mais baixo(s) custo(s), apresenta ainda, pelo menos, mais duas vantagens adicionais não desprezíveis: permite evitar, a montante, o alagamento e a consequente perda de dezenas de hortas das margens do Rio e, dado a cultura dos cereais ter sido abandonada e este(s) ribeiro(s) recolher(em) apenas água de nascentes e da chuva vindas dos montes, lameiros e terrenos não cultivados, a sua água é seguramente mais limpa e pura que a do Rio onde são lançados os resíduos, tratados ou não, dos sistemas de esgotos de Alcanices e de São Martinho de Angueira.

Canal de irrigação de Angueira na “Yedra” e vale da “Retuorta”. Com uma extensão de quase três quilómetros, este canal, quando há água suficiente, permite regar a maior parte das hortas de Angueira da margem direita do Rio: da “Yedra”, “Ourrieta Caliente”, “Senhora”, “Tanque”, “Cabada”, “Cabadica”, “Cachon”, “Çanca”, “Salina”, “Mediana”, “Faceira” e “Uolmedas”. Foto do engº e amigo Vítor Moreira a quem agradeço ter-me autorizado a publicá-la.

Este é o desafio que, procurando dar o meu contributo em prol da revitalização do concelho de Vimioso e das localidades que o integram, lanço aos cabeças das listas candidatas à Câmara e à Assembleia Municipal de Vimioso, bem ainda das respetivas Juntas e Assembleias de Freguesia/Uniões de Freguesias.

O concelho de Vimioso e as 22 localidades que o integram carecem e merecem!

Nota: os topónimos de Angueira são em Mirandês, razão pela qual aparecem grafados entre aspas.

Um comentário sobre “Em Prol da Revitalização do Concelho de Vimioso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s